sábado, 16 de outubro de 2010

infelizmente, desta vez nem os entendedores assíduos conseguiram decifrar

Curioso, na imagem do post de ontem não havia sábado. É preciso chegar alguém de comboio para me fazer sair na tarde de um sábado sem planear. Sem planear e a variar. Não que eu queira variar, mas é verdade que sabem bem os espaços nossos. E há muitos sábados que não saía 'sozinha'. Ou se calhar não são assim tantos. À noite sair também e rever quem queria, embora tivesse que rever muita gente que dispensava, mas isso é outro tema : o tema da cidade pequena ; não interessa. 'É difícil? ' Uma pergunta dentro do café. Ao responder lembrei-me de nessa mesma tarde lidar com mais uma das componentes desse semblante difícil. Mas difícil só às vezes, acrescentei. E ainda não ter saído desse ciclo vicioso, que parece não ter fim e corrói a saúde de uma(duas?) história(s). Queria deixar esse círculo, passar a outro gráfico, sempre no primeiro quadrante e com rectas com pouco declive. Mas tango dança-se a dois, e não é só culpa de um se pisar o outro. Pisar.

1- se fosse entrelaçá-los tinha mais piada
3- penso que há algum tempo que não...(v.tr: tentar)
10- melhorar, alinhas?

Não ficou nada do que eu queria isto. Mas espero que se entenda que contém 3 pessoas, três histórias : duas trazendo algo que fazia falta (cada com o seu) e uma voltando a trazer algo em excesso. Mas agradeço à rapariga e ao rapaz (que fez este e faz vários) que fizeram deste um bom sábado, e aos restantes importantes presentes. Talvez com menos paleio conseguisse dizer o mesmo, sobre tudo :

Sem comentários: