segunda-feira, 6 de julho de 2009

paris 1

Foi um bocado sem dar conta do meu passo que pus os pés de for e pisei a cidade. Não é nova, mas não tenho grande memória dela. O sono e o cansaço atrasaram um pouco a sensação de finalmente sair durante um pedaço, respirar, sentir e ver novas coisas, sem mais nada. Sou só eu (metade incluída) e PARIS! O sono e o cansaço não deixaram os pés cansar-se muito, mas mais virá. Não sei dar nome a este lugar, remexo nas memórias de outras paragens que parecem assemelhar-se,ah...mas o ar é diferente! A luz. A cor. Sabe bem andar na rua. Estar longe é saudável. O algures é um espelho em positivo e negativo, e faz-nos crescer. Quem viaja vê o pouco que é seu em cada esquina, descobrindo o muito que não teve (nem terá).E descobre o que tem quando se lembra dos cabelos loiros de alguém só porque olhou um campo de trigo duma janela.
"How to make art?
(...) So it represents not an instantaneous snapshot but a physical law of mutual variation connecting the elements of life. Not extracts but abstractions that resemble nothing in life, but in their manner of reacting. " Alexandre Calder
Já tinha saudades de museus e de pintura

2 comentários:

Brufes disse...

Fiquei triste por não te ter desejado merda o suficiente no sábado passado... sorry eu tinha te prometido, mas foi um sábado esgotante psicologicamente!!!

Espero que aproveites esses momentos libertadores e magicos...

Beijo

xapati disse...

há qualquer coisa de especial em ti, miúda! não te esqueças de, quando chegares ao cimo da torre eiffel, espreitares de lá o teu destino :) Beijos da mana que está sempre a pensar em ti (só esta semana por que estás no estrangeiro!!)