quinta-feira, 12 de março de 2009

criei esta ligação estranha com relvados

'Só o teu riso dura. Mostrei-te o mar.
Mostrei-to antes e depois de morreres '
Luís Filipe Castro Mendes

O sol já descia. A um canto o rosto das minhas sapatilhas sobre o muro em frente da bancada. Nunca me sentei para ver um jogo naquele estádio, raras foram as vezes que lá fui. Desde Setembro que duas vezes por semana subo as escadas desse mesmo estádio,subir para o ballet. E via de longe o campo : grande,verde,silencioso,com algumas pessoas a correr. Uma vez ou outra ia dar uma olhadela,mas hoje foi a primeira vez que me sentei. Espero que o tesouro descoberto hoje não me faça deixar as horas extra de trabalho para o meu sonho especial, as horas extra com uma das pessoas mais importantes da minha vida. Foi como uma praia num dia menos claro.Não é por ser só um campo e umas bancada, com a parte de um edifício cinzento feio à frente onde se lê em letras bem grandes ' DOLCE VITA' , que é menos bonito. O sol já descia e eu sentei-me,pus os pés no muro em frente da cadeira,liguei o ipod numa selecção adequada ao momento,(de vez em quando sentindo a vibraçao do telemóvel) e abri o livro que começara ontem. Li devagar,os olhos deixavam a paisagem fugir para mim. Duvido que esta minha ideia de beleza não agrade a todos. Por cima do volume muito fraco que escolhi para a minha banda sonora de fim de tarde ouvia passos curtos e rápidos,de pés pequeninos,e cansados de uma aula de tutus e collants. Vou sempre para lá mais cedo. Meia hora..quarenta minutos..uma hora...hoje fui duas. Pude saborear o vento do sítio de sempre,dar a volta à casa. Leio pouco. Melhor,leio livros muito específicos em situações muito específicas.Naquele momento eu sentia a cidade a parar,só para mim. Estava sol, era de tarde, e eu usufruía de um silêncio muito claro,muito quente. O silêncio de uma tarde de sol e não de uma noite ou manhã entre paredes. Sou simples,momentos pequenos fazem-me feliz. Passava lá a tarde inteira... Melhor tinha sido,do que cheirar a mistura de dúvida,entre talvez medo,ou distãncia. Jogos e labirintos. Casas e janelas. Não sei como interpretar entao esse virar de costas. Falei da praia? De ver o mar com o céu nublado? Tantas vezes me agarrei a uma pedra na areia a murmurar como era bonito o pôr-do-sol, a manhã, a tarde, a noite, o céu nublado.. Dois verões seguidos de mar e palmeiras,mas fui mais numa paragem de visita do que aí. Fui mais onde fazia vento. Ponta da Piedade,viagem a lagos 2007,7ºE. Dos melhores mares que eu já vi, ou que me fez ver melhor. Conservando o desejo de um dia mostar um mar a alguém. Os desejos são já recordações.

2 comentários:

constanca disse...

está bonitinho:)

bárbara disse...

bonitinho?
mereces um beijinho